Design

Degradê segue em alta: saiba mais sobre esse estilo no mundo do design

Não é apenas no corte de cabelo que o degradê é uma tendência. No design, o degradê (ou gradiente) segue em alta – e apesar da criatividade sempre comandar o trabalho dos profissionais da área, algumas direções em relação a cor, tipografia, composição, forma e estilo podem ser aliadas e dar um norte para que os designers desenvolvam seus jobs.

 

As cores gradientes não são uma tendência novinha em folha, nos anos 90 já eram algo em evidência. Porém, assim como no mundo da moda, o que ganha notoriedade em algum momento, amanhã pode voltar repaginado e ganhar força novamente. Basta trazer ares frescos à fórmula e, mesmo com a passagem do tempo, a tendência volta modernizada. E pode acreditar, o degradê está nessa lista e ainda tem muita força na comunicação das marcas.

 

 

Pois é, o efeito de transição entre cores que ficou famoso nos anos 90 voltou aos holofotes. Inicialmente, o degradê voltou de forma mais tradicional ou um pouco menos ousada em planos de fundo. Aí bastou dar um tempo para que mentes criativas fervessem de ideias e surgissem gradientes multicoloridos com paletas de cores vibrantes, formas irregulares, efeitos de distorção e até em elementos secundários dentro da composição.

 

São formas criativas de usar duas ou mais cores de uma marca, por exemplo. É também uma maneira de deixar os materiais (até os impressos!) com um colorido diferente. De repente um aspecto de cor mais quente ficando mais fria… As possibilidades são infinitas!

 

LEIA MAIS
Quando e porque utilizar arquivos em vetor

Tutorial: por que valorizar esse recurso?

Como configurar o Preto no CMYK para impressão

5 ideias para um cartão de visitas perfeito

 

 

Tipos de degradês

Podemos misturar cores de várias formas, sendo as mais comuns gradientes lineares ou radiais com diferentes parâmetros como raio, orientação, opacidade ou pontos de cor. Um dos destaques é o uso de misturas não uniformes que usam malhas de gradiente ou outras técnicas.

Com a malha de gradiente, distorcemos a superfície do gradiente para gerar uma forma de forma livre. Podemos encontrar muitos tipos de gradientes como monótono, duotônico, multicolorido, rampas gradientes…  Vale saber mais no Figma, uma ferramenta de design de interface colaborativa.

 

Lembre-se: estar sempre atualizado não significa usar todas as tendências mais quentes do momento ao mesmo tempo, mas surfar na onda do que está em alta com criatividade e jamais esquecer que a conexão com a audiência é fundamental. 😉

Etiquetas

Julia Viana

Editora do Blog da Printi, uma jornalista que encarou um novo papel para falar de mundo gráfico e inovação - sem nunca deixar a criatividade e os assuntos mais comentados do momento de lado.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar