Portfólio de design: como montar um?

Ter um portfólio é essencial para os profissionais de design. Por meio desse material é possível apresentar os projetos desenvolvidos por um designer, suas características, pontos fortes e contar um pouco sobre sua carreira.

Não ter um portfólio para apresentar a um cliente ou em uma vaga de emprego pode fazer com que o profissional seja descartado.

Porém, criar o portfólio ideal é uma tarefa complexa e pode ser bem difícil para muitos designers.

Neste artigo vamos dar algumas dicas para que você possa montar o seu. Se você já tem portfólio, acompanhe o texto e veja se nossas dica podem ser usadas como atualização.

O que deve e o que não deve ir para o portfólio

Quantidade x qualidade

Na hora de escolher os projetos que irão para o portfólio, muitos profissionais têm dúvidas sobre quais devem entrar e quais devem ficar de fora.

Há quem acredite que quanto mais projetos melhor. Passa a impressão de que você já esteve envolvido em diversas ações e tem uma bagagem profissional extensa. Pode até transmitir a ideia de que você é um profissional com uma vasta experiência, por mais que não seja o caso.

Mas o que chama mais atenção: a quantidade ou a qualidade?

Talvez seja melhor você escolher apenas os melhores, mesmo que não sejam muitos. Pois diante de muitos trabalhos, certamente, eles chamarão mais a atenção.

Autoria dos trabalhos

Se o designer não tem muita experiência é natural que ele não tenha muitos projetos autorais. Normalmente, eles participam apenas na produção de algumas peças do projeto todo. Nesses casos, de quem é a autoria do projeto? Quem pode usá-lo no portfólio? Essa é uma dúvida frequente entre os profissionais.

Você pode utilizar o projeto em seu portfólio, mas deve sinalizar quais foram as peças de sua responsabilidade e dar os devidos créditos aos profissionais responsáveis pelas demais imagens ou pelo projeto como um todo. Se você trabalhou sobre a supervisão de algum designer, sinalize também.

Projetos que não estão de acordo com os valores do profissional

Quando estamos no início da carreira é comum – e bem normal – pegarmos alguns projetos que não são tão bacanas, porque precisamos de dinheiro, porque precisamos desenvolver habilidades e ter experiência. Todo profissional faz isso!

Porém, com o passar do tempo, conforme vamos trabalhando em outras empresas e com outros projetos, nossos valores em relação ao trabalho podem mudar.

Você não precisa expor aqueles trabalhos que não te deixam feliz e orgulhoso. Só inclua em seu portfólio aquilo que você ficará satisfeito em expor e vai se sentir bem em falar sobre, dar detalhes e etc.

Selecione os melhores projetos, inclusive os pessoais

Tem algum projeto que você gostou muito de fazer e que, na sua opinião, é um dos melhores que já fez, mas não foi para uma empresa, foi um projeto de faculdade, algo pessoal ou voluntário? Coloque também!

Não devemos julgar a importância de uma trabalho por ele ter sido pago ou não, profissional ou não. O julgamento deve ser pela qualidade do material e se você acredita no potencial dele, inclua no portfólio também.

Organizando o portfólio

Um portfólio precisa ser organizado para não causar confusão aos olhos e à cabeça de quem está vendo.
Existem diversas maneiras de se organizar um portfólio. Veja algumas que separamos:

Por ordem cronológica

Organize seus trabalhos pelo período em que eles foram produzidos. Você prefere destacar os primeiros que criou ou suas últimas criações? Defina e organize. Sugiro que organize dos mais recentes para os mais antigos, pois agora é provável que você tem mais experiência do que alguns meses ou anos atrás, não é mesmo?

Por categorias

Categorizar os trabalhos também é uma ótima maneira de apresentar seus projetos. Você pode separar por ilustrações, layout para sites, para revistas, jornais, banners, redes sociais e etc.

Por tema

Você trabalha muito com temas? Então explore esse tipo de categorização. Gastronomia, moda, publicidade, são apenas algumas das possibilidades.

Tipos de portfólios para apresentação

Você pode apresentar seu portfólio em versão digital ou impressa. Não há restrições para a utilização de qualquer tipo, porém cada um com sua particularidade, pode oferecer vantagens e desvantagens. Veja qual pode fazer mais diferença para você:

Portfólio impresso

Normalmente, é apresentado em pasta com todos os materiais impressos em alta qualidade. É possível também, apresentar os projetos em catálogo.

A maior vantagem desse tipo de portfólio é que as imagens impressas representam fielmente as cores, texturas e aplicações do seu trabalho.

Para um ilustrador, por exemplo, esse tipo de apresentação pode ser mais funcional do que a digital.
A desvantagem é que, durante um processo seletivo o mais comum é que as empresas solicitem o portfólio do profissional junto com o currículo para avaliação.

Se eles aceitarem receber seu material impresso, você terá no mínimo custos com o envio ou entrega da sua apresentação.

Portfólio digital

Existem diversos sites gratuitos que são específicos para divulgação de portfólios. Se preferir, você também pode criar um domínio pessoal e fazer uma página exclusiva.

Essa forma de apresentação do portfólio oferece mobilidade para você e para quem quiser acessar seu material, pois ele pode ser acessado de qualquer local, pode ser compartilhado nas redes sociais ou entre outros profissionais. Com uma rápida busca no Google, seu portfólio também pode aparecer.

A desvantagem é que, ao contrário do impresso, a qualidade das imagens vai depender muito do monitor de quem estiver vendo e elas nunca serão tão boas quanto as da versão impressa.

Além disso, a concorrência na internet é muito maior. Milhões de portfólios estão disponíveis para serem avaliados.

Ter um portfólio é obrigatório para qualquer profissional de design, por isso se você ainda não tem o seu, pare tudo e comece a trabalhar em um agora.

O conteúdo te ajudou? Gostaria de acrescentar alguma orientação? Deixe seu comentário abaixo 😉