Ideias para negócios

Como tomar decisões e medir resultados em áreas criativas?

Peço licença aqui para falar em primeira pessoa. Como criadora de conteúdo formada em jornalismo, essa que vos fala tem muita dificuldade para argumentar no ambiente de trabalho. Medir resultados em áreas criativas é um desafio! Você pode se perguntar “Como, se a premissa da criação de um texto é justamente defender pontos de vista?” É que no ambiente corporativo a música que toca é outra.

Geralmente líderes procuram resultados e nós, essencialmente de humanas, estamos habituados a temer os números. É comum você ouvir uma piada como “não sei somar” vinda de alguém de áreas criativas. Mas não é verdade. Somos profissionais capacitados e os números podem – e precisam! – fazer parte da nossa vida.

É claro que o mais provável é que um engenheiro tenha mais facilidade na hora de criar um gráfico, mas métricas são necessárias para mostrar valor em qualquer área e é perfeitamente plausível – além de recomendável – que todo profissional seja capaz de mensurar seu valor. Nem sempre isso fica mais nítido em números, mas essa ainda é a maneira mais fácil de compartilhar a informação com colegas e gestores. Principalmente com pessoas de áreas nada correlatas, que terão dificuldade de entender por que aquele assunto é relevante para o Blog, por exemplo.

Poder de decisão

Poder de decisão
Imagem: iStock

Ao mesmo tempo que que os números podem nos ajudar a argumentar, eles são peças ótimas em tomadas de decisão. Trabalhos são feitos por meio de decisões – pequenas ou significativas – e para ter poder de escolha, o argumento “resultado” é o mais importante. Por outro lado, essas decisões precisam também estar embasadas em valores já que só assim os resultados têm valor real. Não adianta ter um número fantástico se aquela arte não tem nada a ver com a empresa.

É preciso alcançar o equilíbrio, como em tudo na vida. Na área criativa, em que os esforço das mentes é o tempo todo ir além de limites e fazer algo inovador e disruptivo, isso não é tarefa fácil – mas é possível!

LEIA MAIS

Você sabe o que é Design de Interação?

Design sprint: conheça essa e outras metodologias ágeis

5 regras de Gestalt que todo designer precisa saber

Dicionário de design: conceitos básicos

Para estabelecer métricas, é preciso ter em mente um propósito. Afinal, só tendo um objetivo claro é possível delimitar e medir o desempenho de qualquer trabalho. Por outro lado, existem alguns KPI’s – Indicadores-Chave de Performance – que podem ser bastante úteis para começar. Vamos a eles:

Métricas para mensurar conteúdos

Como mensurar conteúdos
Imagem: iStock

Medir meus resultados em áreas criativas não precisa ser um bicho de 7 cabeças. Um dos profissionais mais gabaritados no assunto, Neil Patel, fez um post em seu Blog listando 7 métricas importantes quando o assunto é conteúdo e nós reproduzimos de maneira resumida para você:

1: Tráfego – que você verá em usuários e sessões;
2: Ranking SERP (Página de Resultados) – onde você aparece quando alguém busca por algo relevante sobre você;
3: Tempo de permanência – que possibilita medir a qualidade do seu conteúdo;
4: Páginas por visita – mostra que todos os seus conteúdos têm valor;
5: Visitantes retornantes – como em um restaurante, se a comida for boa, o cliente vai voltar;
6: Compartilhamento em Redes Sociais – se o seu conteúdo tem valor, ele será compartilhado;
7: Cliques de Plataformas Sociais – medidas por ferramentas oferecidas nas próprias redes

Métricas para mensurar design

Quais métrica usamos para medir design?
Imagem: iStock

Se no conteúdo existem métricas, a máxima também é verdadeira para design no geral. Porém, vamos focar na área de UX especificamente aqui, justamente porque é a parte voltada à experiência do usuário.

No Designr, escrito por Rian Dutra, com mais de uma década de experiência em design de interação, encontramos 6 métricas que você pode utilizar para medir seu desempenho:

1: Usabilidade – em linhas gerais, entender o quão fácil é realizar uma tarefa no seu site;
2: Engajamento – o quanto as pessoas interagem com o produto;
3: Conversão – o usuário daquele site ou aplicativo se tornou um cliente?
4: Taxa de sucesso da tarefa – quantas tarefas foram corretamente completadas pelos usuários?
5: Tempo de realização de uma tarefa – tempo médio gasto em cada tarefa pelo usuário;
6: Uso da Busca e Navegação – avalia a eficiência da arquitetura de informação e da navegação.

Etiquetas

Julia Viana

Editora do Blog da Printi, uma jornalista que encarou um novo papel para falar de mundo gráfico e inovação - sem nunca deixar a criatividade e os assuntos mais comentados do momento de lado.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar