Entrevistas

Conheça o Projeto Tecnogueto [Entrevista com Rodrigo Ribeiro]

O Tecnogueto, assim como outras iniciativas espalhadas pelo Brasil, surge para o ensino e mentoria voltados para a área de tecnologia para pessoas marginalizadas na sociedade. Vamos falar disso cada vez mais no Blog da Printi, começando pelo projeto do Rodrigo Ribeiro, um de nossos colaboradores.

Rodrigo é desenvolvedor na Printi e fundou o Tecnogueto. Ele compartilha como surge o projeto que tem com objetivo socializar e mudar o cenário atual, ensinando profissões dentro da tecnologia e promovendo a diversidade de gênero, raça/etnia e cultural.

Quer conhecer mais sobre a Tecnogueto e como você pode ajudar? Continue a leitura!

O que é Tecnogueto? Como surgiu?

Tecnogueto é derivado de duas palavras: “Tec” – derivado da palavra tecnologia e “Gueto” – que significa comunidades de exclusão.

A Tecnogueto é uma empresa social de tecnologia e educação que tem como principal objetivo formar pessoas nas mais diversas áreas da tecnologia, incluindo: pessoas negras, mulheres, LGBTQI+, pessoas com +40 anos, deficientes e de baixas classes sociais.

Segundo Rodrigo “O surgimento do Tecnogueto veio de uma dor pessoal. Eu trabalho com tecnologia a mais de 8 anos e houve uma empresa onde trabalhei que haviam 72 pessoas na área de desenvolvimento de software e apenas eu era negro e havia somente uma mulher, o resto era branco, hétero e etc. Isso me incomodava bastante”

E continua ” Na área de tecnologia, existem desafios enormes, dentre eles pouca diversidade e inclusão. Hoje olhamos para o mercado de tecnologia e percebemos que continua fechado e exclusivo. A ideia da Tecnogueto surgiu a 8 anos atrás e até hoje se faz necessária buscando a diversidade.”

A Tecnogueto tem como objetivo incentivar um ecossistema a ser mais diverso, pois sem diversidade não existe inovação!

Rodrigo Ribeiro, fundador da Tecnogueto

Como funciona o ensino na Tecnogueto?

Reunião Tecnogueto
Reunião Tecnogueto | Imagem: Reprodução/Instagram

“Somos uma empresa social mas temos fins lucrativos, ou seja, tudo o que recebemos é para investir no ensino de nossos alunos. Queremos gerar mais oportunidades para ascensão social e profissional dos guetos sociais, levando mais diversidade para dentro das empresas. ” explica Rodrigo

A base de ensino da Tecnogueto é pautada em 3 pilares, sendo eles:

1. Ensino psicossocial

Rodrigo relata que muitos alunos precisam ser incentivados ao iniciar os estudos. “Isso ocorre porque o cenário da comunidade é desafiador em diversos aspectos, principalmente na falta de oportunidades. Por isso é necessário trabalhar tanto na questão psicológica das pessoas quanto na auto estima, ajudando com algumas metodologias socioemocionais”.

2. Ensino de língua estrangeira

O segundo pilar que o projeto utiliza é o ensino da língua inglesa. “Sabendo-se que na área de tecnologia muitas palavras são em inglês e apenas 5% da população brasileira fala inglês, por isso é tão importante”, diz.

3. Ensino de tecnologia

O ensino na Tecnogueto é feito de forma gratuita, sem cobrar nada dos alunos. “Tentamos ajudar de alguma forma fornecendo equipamentos para que eles possam estudar. Também damos uma ajuda de custo para os alunos frequentarem o curso, que é presencial. Também fornecemos alimentação (café, almoço, lanche da tarde) e tentamos recolocar esses alunos no mercado de trabalho”, conta o fundador do projeto.

Tecnologia e transformação social

Por que o Tecnogueto começou
Tecnogueto promove a transformação social| Imagem: Reprodução/Instagram

“Vivemos em um mundo que é 100% tecnológico e pouquíssimas coisas não são feitas através de tecnologia. Desde uma porta até um super computador, tudo usa tecnologia. Acabamos achando que tecnologia é só aquela parte onde estamos sentados em frente a um computador, mas na verdade a tecnologia está em nossa volta e sempre esteve”, explica Rodrigo.

“Se nós não conscientizarmos as pessoas de forma geral que a tecnologia é super importante elas ficarão para trás. As pessoas que não se adaptarem ficarão para fora do mercado de trabalho. Tecnologia é evolução e precisamos conscientizar as pessoas, nós sabemos que principalmente as pessoa mais pobres são as primeiras colocadas de lado e esquecidas com as evoluções de uma forma geral. Se não nos preocuparmos com os mais pobres sobre a importância da tecnologia vão acabar vivendo ainda mais a par da sociedade”, completa.

Planos para 2021

Apoie o Tecnogueto.

A Tecnogueto está com muitos planos para 2021, o principal deles é a criação de uma plataforma online de ensino, “uma plataforma feita do gueto para o gueto”.

“Queremos criar uma plataforma que vai além do ensino da tecnologia e oferece apoio psicossocial, aulas de inglês, suporte e mentoria. Com o intuito de formar profissionais preparados para encarar os desafios e abraçar as oportunidades que o mundo da tecnologia pode proporcionar” segundo a equipe envolvida no projeto.

Nosso intuito é sempre “abrir portas, quebrar barreiras e construir pontes”.  Nosso público é 80% da população brasileira: os pobres, pretos, LGBT, idosos e por aí vai. Nosso foco sempre será alcançá-los.

Como ajudar a Tecnogueto?

Tecnogueto (@tecnogueto) | Twitter

Para ajudar o projeto além de acompanhar nas redes sociais e divulgar para outras pessoas e empresas você também pode contribuir financeiramente.

Recentemente a Tecnogueto iniciou o financiamento coletivo da Benfeitoria, o MatchFunding – Modelo de financiamento coletivo em que ocorre o aporte de uma instituição. Para esta campanha, o Fundo Enfrente dá uma forcinha para o projeto sair do papel: para cada R$ 1 investido na ideia, o Fundo Enfrente investe mais R$2. Ou seja, se der match, eles triplicam a colaboração!

Caso o projeto seja bem sucedido, ou seja, atinja 100% ou mais da meta estipulada na campanha, a Tecnogueto recebe o dinheiro arrecadado e entrega recompensas aos apoiadores. Caso a campanha não atinja a meta, o dinheiro é devolvido.

“É super importante fazer com que a pessoas consigam transcender um pouco a parte de tecnologia porque é essencial também para o mundo.” diz Rodrigo.

Tecnogueto e Printi

A Printi e a Tecnogueto planejam fazer muitas coisas juntos. “Vamos fazer uma troca para que a Printi nos ajude e ajudemos a Printi de alguma forma.” diz Rodrigo, além de deixar um recado de inspiração:

“Acreditem nas pessoas. Muitas vezes não podemos nos comparar a outra pessoa e a história dela, pois são contextos e histórias diferentes, traumas dores, felicidades e etc. Não podemos fazer isso! Mas podemos tentar entender e criar empatia. É um exercício que devemos fazer todos os dias – nos colocar no lugar do próximo”, finaliza.

Se inspirou com a Tecnogueto? Apoie essa causa!

Etiquetas

Gabrielle Menezes

Social media em formação, estudando design de mídias digitais, amante das redes sociais, cantora e fotógrafa nas horas vagas.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar