Design

As cores CMYK no sistema de impressão

Sistema de impressão | Imagem: Printi

Você sabe o que a escala CMYK representa no sistema de impressão? Ela é a responsável oficial pela a materialização dos seus trabalhos, garantindo fidelidade na passagem da arte do seu computador para o papel. Confira em detalhes como funciona esse processo!

O que é CMYK?

A abreviação CMYK traz as iniciais de cyan, magenta, yellow e key – traduzido para o português como ciano, magenta, amarelo e, a cor chave, preto. Sendo composto por tais pigmentos, o sistema é considerado subtrativo, ou seja, é necessário remover cores para chegar ao tom pretendido.

Dessa forma, o processo de identificação de cores é feito através do método reticulado meio tom, isso significa que a cor é aplicada ao substrato – também conhecido como base – através de pontos que, ao se misturarem, causam ilusão de ótica, fazendo com que o cérebro projete as cores de acordo com os espaços e tamanhos dos pontos – o conjunto de pontos dá origem às telas e retículas.

O preto na escala CMYK

O preto é uma cor formada pela mistura de todas as outras cores, podendo ser utilizado nos impressos com a combinação C 100 M 100 Y 100 K 100, por isso dizemos que não é uma cor pura.

No entanto, esta prática pode danificar alguns impressos à ponto de rasgar papéis, principalmente os materiais de menor espessura. Sendo assim, lembre-se: utilize preto puro (C 0 M 0 Y 0 K 100) para vetores e textos, e aplique o preto chapado apenas em fundos e áreas amplas.

O preto na escala CMYK | Imagem: Printi

CMYK vs RGB

O espectro de cores CMYK é significantemente menor que o espectro RGB. Por esta razão, muitas cores que vimos no monitor não podem ser reproduzidas em um material impresso. A principal causa desta diferença é que o sistema RGB é composto por cor luz, enquanto o CMYK é composto por cor pigmento.

Temos ainda um terceiro sistema de cores: Pantone – ou spot colors – que se refere à cores prontas. Trata-se de um padrão mundial que utiliza código para representar tonalidades e, embora seja indicado para impressos, não pode ser reproduzido pelo sistema CMYK de forma exata, mesmo que utilizando uma combinação equivalente.

“A diferença entre elas está diretamente ligada à capacidade de aumento em gamut de cores, ou seja, a capacidade que cada espaço de cor tem de reproduzir distintos tons das cores. CMYK e Pantone são voltadas para impressão, enquanto RGB para mídias digitais”, sinaliza Diego Vaz, supervisor de qualidade da Printi.

Ao finalizar sua arte, é importante verificar se os elementos – sejam eles vetores ou imagem – estão convertidos em CMYK. Este procedimento evita que haja variações de cores não esperadas no seu material.

CMYK | Imagem: iStock

[Post de 15/10/2019 atualizado em 22/04/2021]

Etiquetas

Maryene Oliveira

Apaixonada pelo mundo da comunicação, uma futura radialista movida por dança, literatura, desafios e ideias mirabolantes.
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar